Press "Enter" to skip to content

Batman o Cavaleiro das Trevas 10 Anos de Circo pegando fogo!

Com a onda de filmes de heróis, a pergunta que pendura em muitos amantes de cinema é O que faz um filme ser o melhor do gênero entre tantos outros? Cavaleiro das Trevas do Christopher Nolan responde essa pergunta, nesse texto mostrarei o porquê desse filme ser considerado a melhor adaptação de quadrinhos em tela e como 10 anos depois continua mudando o jeito de fazer filmes de heróis.

O Contexto

Primeiro vamos ao contexto da época, o Batman já teve muitas adaptações e após sua série de TV que tinha um tom mais cômico, uma nova adaptação do herói foi lançada nos anos 80 pelo Tim Burton, com uma pegada mais gótica misturado com os quadrinhos Burton mostrou que tudo era possível. Trazer um Batman mais sério ao da série funcionou muito, mas logo após o Batman caiu no tom cômico novamente com Batman Eternamente e Batman E Robin, fazendo o Batman então ficar engavetado.

O Homem com uma visão.

Após esse rápido contexto, chegamos então aos anos 2000, com o sucesso de X Men e Homem Aranha a DC resolveu entrar na onda e nada mais justo que trazer seus dois maiores heróis as telas o Batman e o Superman. Na época um diretor estava surgindo com filmes como Insônia e Amnesia Christopher Nolan era um diretor em ascensão e sendo chamado para dirigir o Batman depois de tanto tempo em hiato Nolan teve uma visão: Trazer os personagens ao mundo de uma maneira realista. Enquanto que naquela época foi revolucionário nos quadrinhos pelo Watchmen do Moore nos filmes era algo inédito, com tempo para pensar em seu Batman, Nolan trouxe uma versão realmente interessante um filme sério que se encaixa perfeitamente com o personagem em 2005 Batman Begins é lançado e a continuação claro foi anunciada.

“Venho do noir e Batman é um herói que lida com o tom sombrio desse gênero em sua gênese. Os filmes e os quadrinhos sobre ele não exploram sua origem, que vem de um trauma, de uma perda. Eu tentei ir por esse caminho, mais humano”

Nolan fala sobre o seu Batman no Festival de Cannes em 2018

Certo, continuações não são muito bem vistas em Hollywood, claro existem exceções, mas apenas elas são poucas comparadas ao numero de fracassos que tem por aí, mas com um universo estabelecido os personagens conhecidos a continuação do Batman tinham tudo para dar certo, e deu, mas não por causa desses fatores, bom vamos lá.

I believe in harvey dent

O primeiro fator foi o Harvey Dent que para mim é o protagonista do filme, o Harvey Dent é o perfeito ideal do herói no filme, o cara que se sacrifica a pessoa que acredita na justiça, vemos o Dent indo de um cara que usa os meios legais para vencer o crime partir para a loucura e a “sorte” em busca de vingança. É a jornada do vilão algo que começamos a ver depois só em X Men First Class, Pantera Negra e Guerra Infinita. O Dent para mim é o principal do filme muito pelo seu papel, a história gira em torno dele e o Coringa, enquanto um tenta prender o adversário o outro quer enlouquece-lo, bom sabemos quem venceu.

Why so serious?

E falando em loucura claro não poderíamos fugir do Coringa, quando foi anunciado para interpretar o papel do personagem Heath Ledger foi muito criticado não só pelo seu histórico de filmes, mas pelo seu arquétipo de adolescente rebelde que não combina com o Coringa, e como é bom saber que todos estavam errados, o Ledger usou de um método de atuação mais conhecido e mais difícil de fazer em Hollywood chamado de “O Método” resumidamente o Método é o exercício de atuação no qual o ator se utiliza de lembranças pessoais seja da sua infância ou da sua vida adulta em sua atuação ele basicamente se torna o personagem.

O âmbito de pesquisa foi enorme e macabro o ator se trancou em um quarto de hotel e estudou o seu personagem, inspirações como Laranja Mecânica, a modulação na voz, o jeito de agir e andar tudo fui bem estudado pelo ator para compor seu personagem e enfim pronto Ledger mostrou que um vilão pode ser bem mais que um vilão sua atuação lhe custou um Oscar e sua vida, o ator se suicidou antes do filme ser lançado, e hoje em dia é considerado um dos melhores vilões de todos os tempos.

O filme

Falta falar claro do prato principal. TDK é um show do começo ao fim, vemos a jornada dos três protagonistas do filme o Dent, o Batman e o Coringa em busca da alma de Gotham, enquanto temos um Batman pensando em se aposentar vemos o Dent ter a chama da justiça queimar em seu coração e o Coringa que queria apenas ver o circo pegar o fogo, a briga de “cachorro grande” deles é um dos embates psicológicos mais interessantes do cinema, vemos o Coringa brilhar mostrando o que o personagem é capaz sendo imprevisível e te deixando mais tenso ao andar do filme. As cenas de ação mesmo sendo fracas é apenas detalhe no palco que Nolan criou, observem que o filme não tem sangue nem se quer uma gota e mesmo assim as cenas de morte te dão um impacto que outros filmes não conseguem ter, Nolan usou o som ao seu favor lhe rendendo novamente um Oscar na categoria técnica. A partir da aparição do Coringa vemos uma montanha russa de tensão que chega ao seu ápice no fim com o Dent morrendo e o Coringa vencendo, além de um Batman sendo caçado e aposentado.

Além da morte prematura do Heart Ledger, Batman o Cavaleiro das Trevas mostrou que um filme de herói pode ser bem mais que simplesmente entretenimento a academia olhou para o gênero com outros olhos, o Batman funciona sozinho até sem o seu gênero se tirarmos o fato de termos um homem que se veste de morcego o que vemos é um filme de suspense policial, o Batman sendo um policial e o Coringa um serial killer a solta. Além da critica esmagadora Batman também é um sucesso de bilheteria e a sua pegada “séria e sombria” foi usado de inspiração para filmes como Homem de Aço e Batman vs Superman do diretor Zack Snyder e séries como Arrow (pelo menos a primeira temporada) da CW.

O filme foi indicado a oito Oscars para o Oscar 2009. The Dark Knight venceu dois prêmios: melhor ator coadjuvante para Heath Ledger e melhor edição de som para Richard King. Também foi indicado nas categorias de: melhor direção de arte (Nathan Crowley e Peter Lando), melhor fotografia (Wally Pfister), melhor mixagem de som (Lora Hirschberg, Gary Rizzo e Ed Novick), melhores efeitos visuais (Nick Davis, Chris Corbould, Timothy Webber e Paul J. Franklin), melhor maquiagem (John Caglione, Jr. e Conor O’Sullivan) e melhor edição (Lee Smith). O filme que custou 185 milhões, faturou o total de 1.4 Bilhões no mundo todo.

Batman o cavaleiro das trevas 10 anos depois mostra que ainda tem vigor e respeito o filme em si é uma obra magnifica que deve ser visto e privilegiado sempre.

Comments are closed.